• TELE VENDAS 51 2104-1066
  • ATENDIMENTO: 7:30 - 12:00 | 13:00 - 17:18

Produção industrial avança 1,4% em maio após três quedas seguidas, aponta IBGE

Frente a maio de 2020, houve crescimento de 24%, em função da base de comparação baixa

 

 

produção da indústria brasileira voltou ao terreno positivo e avançou 1,4% em maio, frente a abril, segundo a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Com isso, interrompeu uma sequência de três quedas mensais seguidas, período no qual acumulou queda de 4,7%. Em abril, o indicador teve retração de 1,5%, após dado revisado (perda inicial era de 1,3%).

 

O resultado de maio também permitiu que a produção industrial voltasse ao patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020, que tinha sido perdido após os recuos recentes. Apesar do avanço, o setor ainda se encontra 16,7% abaixo do nível recorde, registrado em maio de 2011.


O desempenho do quinto mês de 2021, porém, ficou pouco abaixo da mediana das estimativas de 30 instituições financeiras e consultorias ouvidas pelo Valor Data, de alta de 1,6%. As projeções iam de queda de 1% a expansão de 3,3%.


Frente a maio de 2020, a produção industrial subiu 24%, em função da base de comparação baixa. Em maio de 2020 a indústria ainda enfrentava restrições de funcionamento por causa do início da pandemia. Por esta base de comparação, a expectativa mediana do mercado era de que o indicador tivesse avançado 24,6% conforme levantamento do Valor Data. As estimativas iam de 17,8% a 27,5%.


A produção industrial acumulada em 12 meses ficou em 4,9% de crescimento. No resultado acumulado em 2021, até maio, a indústria avançou 13,1%.

 

CATEGORIAS

Das quatro grandes categorias do setor industrial pesquisadas pelo IBGE, duas tiveram queda e duas registraram avanço em maio. Frente a maio de 2020, todas as quatro tiveram altas expressivas, influenciadas pela base de comparação baixa, já que naquele mês a indústria brasileira teve forte redução da produção por causa do início da pandemia. O avanço de 1,4% da indústria em maio também foi acompanhado por alta em 15 dos 26 ramos pesquisados.


A produção de bens de capital avançou 1,3% na passagem entre abril e maio. Na comparação com maio de 2020, a produção teve elevação de 76,7%.


O resultado de bens semi e não duráveis foi de alta de 3,6% na produção em maio, frente a abril, segundo os dados do IBGE. Ante maio de 2020, houve avanço de 13,2%.


Já os bens intermediários apresentaram perda de 0,6% em maio, perante o mês anterior, mas registrou avanço de 18,1% no confronto com um ano antes. A categoria representa 55% da indústria.


A produção de bens duráveis, por sua vez, caiu 2,4% no mês em maio e aumentou 149,4% no comparativo com igual período de 2020.


Entre as atividades, as principais influências para a alta da produção industrial vieram de produtos alimentícios (2,9%) – após queda de 3,2% em abril - de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (3,0%) - que eliminou parte da perda de 10,0% de abril, e por indústrias extrativas (2,0%). Este último teve a terceira alta seguida, com expansão de 10% no período.
 

Fonte: ACOBRASIL